Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

É Desporto

É Desporto

31 de Janeiro, 2020

Wyndham Halswelle. Conta como vitória se não houver adversários?

Especial Jogos Olímpicos (Londres-1908)

Rui Pedro Silva

Wyndham Halswelle

A final dos 400 metros no atletismo nos Jogos Olímpicos de Londres em 1908 é, provavelmente, a mais controversa de sempre. Depois de uma decisão polémica da equipa de arbitragem, que favoreceu o atleta da casa, a organização decidiu marcar uma nova corrida. Os norte-americanos boicotaram a iniciativa e Wyndham Halswelle correu… contra ninguém.

A página dos Jogos Olímpicos recorda uma frase importante que constava no programa de prova em Londres-1908: «Qualquer atleta que, de forma consciente corra à frente ou obstrua outro atleta para impedir que este progrida, deve perder o direito de estar na competição e não deve receber qualquer classificação ou prémio ao qual de outra forma teria direito».

Este pormenor era importante porque as pistas, como as conhecemos hoje, ainda não existiam nas provas de atletismo. Quando a corrida em questão era os 400 metros, a probabilidade de acontecer algo problemático aumentava. E foi precisamente isso que aconteceu no dia da final, a 24 de julho.

A vitória foi para o norte-americano John Carpenter, seguido de Wyndham Halswelle. Sem grandes protestos de parte a parte, um dos árbitros, Roscoe Badger, decidiu entrar em cena e dizer que o terceiro classificado, o também norte-americano William Robbins, tinha obstruído o britânico durante uma tentativa de ultrapassagem.

O depoimento de Badger referia que Robbins estava na frente quando fez a manobra proibida, garantindo ainda que a dupla norte-americana tinha trabalhado em conjunto para impedir que Halswelle triunfasse e que, caso quisesse mesmo tentar a ultrapassagem, o tivesse de fazer a correr muito por fora e com um desgaste maior. Neste caso, o maior vilão foi mesmo o vencedor do evento.

A iniciativa do árbitro provocou a anulação dos resultados, a desqualificação de John Carpenter e o agendamento de nova final para o dia seguinte. A comitiva norte-americana protestou a decisão e, chegada a hora da corrida, não houve sinal nem de William Robbins nem do terceiro atleta dos Estados Unidos (John Taylor) que tinha participado na final.

Wyndham Halswelle não se sentiu incomodado com tal insólito e percorreu os 400 metros com um tempo redondo de 50 segundos (2,2 segundos mais lento do que John Carpenter na véspera). É, até hoje, a única vez em que uma final foi disputada por um único atleta e provocou a mudança de regras: a partir de 1912 passou a haver pistas para cada participante.

A vida do campeão olímpico não trouxe grande recompensa. A 31 de maio de 1915, enquanto tentava salvar um colega durante a Grande Guerra, o capitão Halswelle foi morto por um atirador furtivo em França. O incidente aconteceu pouco semanas após ter sido ferido pela primeira vez, recusando abandonar a batalha.

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.