Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

É Desporto

É Desporto

Tirsense. São os adeptos que fazem um clube grande

Tirsense-Lousada levou milhares ao estádio

«Mas você vem de onde?», perguntou-me sem contemplações assim que ouviu o meu sotaque lisboeta a perguntar se havia algum bilhete disponível. Ainda não era meio-dia em Santo Tirso e já tínhamos chegado ao Estádio Abel Alves de Figueiredo. A porta do estádio estava aberta, decidimos arriscar e fomos direito ao lado de dentro da bilheteira, onde estavam dois homens e uma mulher.

 

Pensei que era a oportunidade perfeita e tentei a minha sorte. A pergunta provocou um festival de recordações no meu cérebro. Apeteceu-me responder que vinha do passado. De uma era em que o Tirsense se notabilizou por duplas, seja pelos futuros jogadores do Benfica (Paredão e Marcelo) ou pelas contratações mundialistas Daoudi (Marrocos) e Siasia (Nigéria). De uma era em que o Tirsense foi o adversário de um Robson em estreia pelo Sporting (0-0 sem fazer uma única substituição) ou em que derrotava o FC Porto com contundência (3-1). E em que Caetano era rei. Não disse, optei pela verdade. «Vim de Lisboa. Vim de propósito para o jogo», expliquei.

 

O Tirsense-Lousada pode ter sido um jogo da distrital do Porto mas começou a merecer atenção nacional no início da semana. A iniciativa era clara: trazer uma tarde de futebol à antiga ao Abel Alves de Figueiredo. Quiçá inspirados pelo exemplo do Estrela-Belenenses do início de janeiro, responsáveis do clube e o patrocinador Bazar Desportivo apostaram na emissão de cinco mil bilhetes duplos para distribuir gratuitamente entre os interessados.

 

O Lousada era o adversário perfeito. Era o rival direto na luta pelo segundo lugar e prometia trazer 500 adeptos para a festa. Sim, podia ser um jogo do campeonato distrital mas a pressão era de primeira liga. E, uma vez mais, demonstrou-se que um clube não se descreve pela divisão em que está mas sim pela dimensão que os adeptos lhe dão. De nada vale estar entre a elite se não se consegue gerar um burburinho destes quando é preciso um impulso extra. Longe da era dourada, o Tirsense fez a chamada e as pessoas apareceram, demonstrando que o futebol está vivo e recomenda-se em Santo Tirso.

 

Fila para entrar e uma torneira que nunca fechou

Abel Alves de Figueiredo fez lembrar outros tempos

A informação oficial dizia que as portas abriam uma hora antes. O pequeno atraso permitiu perceber que a tarde ia ser um sucesso. Um amontoado de pessoas começou a juntar-se e, assim que o portão de ferro abriu, não demorou muito até haver uma fila. Faltavam cerca de 45 minutos para o apito inicial e a fila não desapareceu.

 

Na entrada preferencial para a bancada principal, o fluxo de pessoas a entrar parecia o de uma torneira que não fechava. Vinham umas atrás das outras e, minuto após minuto, a bancada parecia cada vez mais cheia. Havia homens, mulheres, crianças e até carrinhos de bebés. As pessoas conheciam-se e cumprimentavam-se, recorrendo ao velho lugar-comum do tempo para dois dedos de conversa. «Está frio, não está?», perguntava um. «Não! Está um calor soviético», respondia outro.

 

O branco da bancada foi substituído pelo preto das roupas. «Há jogos da primeira liga que não metem tanta gente», observava um adepto enquanto admirava a tal torneira sem arranjo. Enquanto no relvado, a mascote – o Tirso – e as equipas cumpriam as suas tarefas pré-jogo, na bancada do lado dos balneários, a claque do Tirsense – Juve Negra – afinava cânticos e mostrava o lema: «Que a nossa paixão seja a vossa inspiração».

 

Num setor da bancada do peão, começaram a aparecer os primeiros adeptos do Lousada. Os dirigentes tinham avisado que a equipa não ia estar desapoiada e a promessa foi cumprida. «Somos Lousada», lia-se numa tarja afixada à frente das vozes mais pujantes e que tentavam, da melhor maneira possível, abafar a clara inferioridade numérica no Abel Alves de Figueiredo.

 

Rrrrrrrrrrrrrola a bola e a pureza do futebol

Tirsense-Lousada

O pontapé de saída matou qualquer tipo de nervosismo que pudesse existir. Quando duas forças se contrariam num relvado, não importa se os clubes se chamam FC Porto, Tirsense, Boavista ou Lousada. Há uma bola, onze jogadores de cada lado e milhares de adeptos à procura do golo que os faça explodir de alegria.

 

Há quem se concentre nos resultados dos jogos que vai ouvindo através do rádio e quem discuta apaixonadamente em que divisão está o Trofense. Dentro de campo, o sinal mais é do Tirsense mas as oportunidades desperdiçadas contribuem mais para unhas roídas, cigarros fumados e pontapés em degraus do que para gritos assoberbados e abraços entre amigos.

 

A exibição do árbitro também é criticada. Afinal, qual é o adepto que não acha que o homem do apito assinala sempre tudo para o mesmo lado que, por acaso, é sempre o outro? «Sabes qual é o problema? É o complexo-Lousada [contextualização dada por um leitor na caixa de comentários]», queixa-se um, depois de mais um lance em que o amarelo não sai do bolso do árbitro.

 

O Lousada também não está lá para o frete. Quer manter o segundo lugar e ameaça tanto quanto possível a baliza do Tirsense. O ruído das bancadas não o parece afetar mas as boas ocasiões escasseiam.

 

O intervalo surge como a oportunidade perfeita para apresentar os jogadores dos escalões de formação e também os do futsal. Uma a uma, as equipas são apresentadas, começando pelos petizes, e recebem os aplausos de uma bancada completamente cheia. Para aquelas crianças, estes 15 minutos têm tudo para ser o expoente de uma vida curta. Sim, há um escalão anunciado com a proeza de ter vencido todos os jogos, mas pisar o relvado dos seniores e ser aplaudido por tanta gente é o mais próximo que têm de ser como as estrelas que veem na televisão.

Crianças desfilaram para a bancada

São estes os momentos que apaixonam os mais novos, que os fazem sonhar, que os fazem imaginar que um dia poderão ser como os seus heróis e marcar golos que façam explodir um estádio cheio. Hoje ainda não foi o dia, mas as sementes do sonho estão lá.

 

O penálti que lançou o caos no Abel Alves de Figueiredo

O penálti do Tirsense

A toada na segunda parte não teve grande mudança. Percebia-se que os jogadores do Tirsense queriam capitalizar o momento conseguido com um estádio a lembrar os velhos tempos e foram empurrando o Lousada para a sua baliza.

 

Havia cantos, livres, remates e boas ocasiões. Só não havia golos. Depois, já na reta final do encontro, há um penálti marcado a favor do Tirsense. A decisão gera a indignação entre os jogadores do Lousada e os adeptos não se deixam ficar. Visam o árbitro, primeiro, e o marcador do penálti, depois. Bobô, avançado brasileiro que atuou no Boavista, não cedeu à pressão, fez o golo que lançou a explosão de alegria na central e os desacatos no peão.

Não percebemos exatamente como e por que é que aconteceu. Ou melhor, é certo que houve o penálti e o golo – e provocações à mistura – mas num abrir e fechar de olhos o Tirsense-Lousada era também um jogo de Liga Portuguesa na confusão. Na bancada oposta, adeptos do Juve Negra começaram a correr para o setor dos adeptos do Lousada. Aqui, também alguns corriam na direção da grade que garantia a separação com os elementos da claque. A polícia demorou a chegar e, quando o fez, já a grade era pontapeada por uns e por outros, ao ritmo de insultos nada amigáveis… nem originais.

 

Do nosso lado, junto da outra grade que separava adeptos dos dois clubes, houve um outro foco de instabilidade. Mais calmo, é certo, mas que obrigou à intervenção de dois dirigentes, que apelaram à calma, e de um polícia, claramente sem paciência para ter de estar a aturar problemas destes. «Mas vocês vieram ver a bola ou mandar bocas uns aos outros?», gritou, enquanto forçava, sem grande sucesso, dois ou três adeptos do Tirsense a afastarem-se da grade. A insistência chegou com um ponto de exclamação: «Parece que estou a falar com crianças! Aqui só há homens, não há crianças!».

 

O pior tinha passado. A adrenalina tinha sido descarregada, a polícia tinha conseguido impor a ordem e, entretanto, o jogo recomeçara. A situação estava tão controlada que, uns minutos depois, o próprio polícia abriu o portão junto da grade para que um adepto do Tirsense pudesse ir à casa-de-banho no setor do Lousada. Afinal, tinha sido apenas uma má fase e toda a gente percebia que aquele não era o momento – nem o local – para arranjar confusão.

 

Perto do fim, a polícia quis garantir que mantinha tudo de acordo com o desejado – planeou o que cada elemento iria fazer assim que o árbitro acabasse com o jogo, com três agentes a garantir uma margem de segurança em relação à grade para permitir que os adeptos do Lousada saíssem com segurança -, mas não houve recaída.

 

O Tirsense venceu e os conflitos foram relegados para segundo plano. A festa estava feita e o domingo acabava de forma perfeita: um triunfo e um estádio a fazer lembrar os velhos tempos. Os números oficiais garantem que estiveram mais de 7300 pessoas mas a contabilidade – com bilhetes duplos sem controlo à entrada e com muita gente a entrar sozinha – seria sempre complicada.

 

Tenham sido 7300 ou não é indiferente. Estava muita gente e o Tirsense demonstrou que um clube grande só precisa de uma coisa: ter adeptos que o vejam como tal. Recordando o que Mourinho disse sobre Robson, uma pessoa só morre quando morre a última pessoa que o amou. Com tanta gente, o Tirsense prova que está vivo – e bem vivo – e que continuará assim por muito tempo, enquanto a paixão continuar a passar de geração em geração.

Comentar:

CorretorEmoji

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.