Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

É Desporto

É Desporto

17 de Junho, 2020

Steve Redgrave. O homem que esteve cinco edições a vencer

Rui Pedro Silva

Steve Redgrave

Remador britânico saboreou o ouro pela primeira vez em 1984 e tomou-lhe o gosto, repetindo a proeza em Seul, Barcelona e Atlanta. Na despedida da carreira, nos Jogos Olímpicos de Sydney, em 2000, tornou-se o quarto atleta a ser campeão em cinco edições consecutivas.

Steve Redgrave pôde participar nos Jogos da Austrália porque ninguém lhe fez a vontade expressa depois da medalha de ouro em Atlanta, quatro anos antes. «Quem quer que me veja perto de um barco tem a permissão para me matar», disse, já com 34 anos, e achando que estava mais do que na altura de terminar uma carreira brilhante.

O fim durou apenas quatro meses. Como em tantos outros momentos do desporto de elite mundial, o atleta não resistiu ao chamamento interior e deixou-se seduzir pela hipótese de fazer história novamente. A sua imagem já era intocável, somava condecorações e prémios, e ninguém na Grã-Bretanha punha em discussão o seu estatuto no olimpismo nacional. Mas Redgrave achava que conseguia fazer algo mais. E tinha razão.

Quando aterrou no país dos cangurus, Steve Redgrave tinha nove títulos mundiais e cinco medalhas olímpicas. Fora campeão num barco de quatro com timoneiro em Los Angeles-1984 e, entre Seul-1988 e Atlanta-1996, em barco de dois sem timoneiro. Pelo meio, na Coreia do Sul, também foi medalha de bronze em barco de dois com timoneiro.

Em Sydney decidiu voltar mais ou menos às origens. Regressou a um barco de quatro, mas desta vez sem timoneiro. A equipa era brilhante e vencera todas as provas em que tinha participado nos três anos anteriores, exceto uma, em vésperas de Jogos Olímpicos.

A dúvida nasceu no seio do remo mas a equipa com Steve Redgrave, Matthew Pinsent (seu colega nos títulos de 1996 e 1992), Tim Foster e James Cracknell fez questão de dissipar toda a incerteza a partir da primeira eliminatória, registando um tempo mais de três segundos mais rápido do que toda a concorrência.

O mote estava dado e ninguém os impediu. As equipas da Austrália e de Itália eram ameaças mas, no final, os britânicos cruzaram a linha de água que mais importava com 0,38 segundos de vantagem. Era o fim perfeito para a carreira de Steven Redgrave. Cinco títulos olímpicos em cinco edições consecutivas e, agora sim, o adeus definitivo.

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.