Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

É Desporto

É Desporto

17 de Fevereiro, 2020

Somos um país de racistas (mas não gostamos que nos lembrem disso)

Rui Pedro Silva

Marega

O que se passou em Guimarães com Marega não foi nem mais nem menos grave do que aquilo que se tem passado durante décadas no futebol em Portugal. Na Europa. E um pouco por todo o mundo. Olhando para trás, não é difícil nem é preciso fazer um esforço grande para percebermos que o racismo estrutural é uma das maiores falhas da sociedade portuguesa.

Marega atingiu um ponto de rotura. Aconteceu ali, naquele minuto, naquele momento, como poderia ter sido num outro jogo qualquer. Fosse com Marega ou com outro jogador. Nós, por cá, habituámo-nos a criticar o que se passa em Itália. A achar que os italianos são o povo latino mais racista da Europa e episódios em que os jogadores sentem que chegou a altura de dizer basta são mais um capítulo na vergonha de um campeonato que outrora foi grande e agora não é mais do que um tremido reflexo.

Nós, por cá, habituámo-nos a achar que o problema está nos outros. Está em Inglaterra. Na Alemanha, daqueles nazis. Na Itália. Até em França, dos Le Pen. Nós, por cá, somos diferentes. O racismo cá é diferente. Se existe, é muito pontual. Não, nós não somos contra «pretos». Não, nós não os tratamos mal. Nós até temos amigos que o são. Até partilhámos balneários com eles. Histórias. Brincadeiras. Piadas.

Não, nós por cá, sempre fomos diferentes. Somos capazes de entrar numa sala de cinema e sentir nojo quando vemos filmes que retratam a luta pelos direitos civis nos Estados Unidos. E, ao mesmo tempo, incapazes de perceber que Portugal está longe de ser um paraíso. Nós, por cá, deixámo-nos, durante demasiado tempo, contagiar por um racismo estrutural que muitos continuam a apregoar ter desaparecido. Ou simplesmente nunca ter existido.

Violência policial? Sim, é giro falar sobre isso quando Colin Kaepernick se ajoelha. Cânticos animais nas bancadas? Coitado do Balotelli. Por cá, não há nada disso. Ou pelo menos assim foi sendo construída a mentira, num castelo de areia frágil perante a ameaça de um tsunami.

Houve quem tenha falado em hipocrisia. Fê-lo pelos motivos errados, mas acertou na palavra. No sentimento. Qualquer exercício de memória sem grande dificuldade é capaz de nos trazer episódios idênticos ou ainda mais graves ao de Marega em Guimarães. A diferença? Marega foi o único a dizer basta e, por isso, o único a garantir que havia ondas de solidariedade.

Este é, há muito, o problema do racismo em Portugal. Habituámo-nos a achar algo tão natural que eles próprios, os abusados, começaram a sentir que era aceitável. Que fazia parte da realidade. Que era impossível escapar, dizer basta, mostrar ao mundo que estava errado.

Contra mim falo. Olhando hoje para trás, sinto vergonha. Sinto repulsa. Sinto que fui praticamente obrigado a falhar por esta realidade paralela que nada trouxe de bom. Joguei futebol federado onze anos. Joguei com africanos ou filhos de africanos desde sempre. Nos primeiros anos, chegou até a haver treinos em que na minha equipa eu era o único branco. Brincávamos com isso. Eu podia ser o único mas eles sempre foram a minoria.

O racismo existia – e muito – nos escalões de formação. Numa altura em que a internet não existia, pouco se sabia sobre as equipas adversárias. O primeiro contacto visual com a chegada da carrinha adversária provocava sempre as mesmas curiosidades. Primeiro, se eram grandes. Depois, quantos «pretos» tinham.

Quem jogou no final da década de 90 na Associação de Futebol de Lisboa, poderá reconhecer alguns nomes. Toda a gente falava do Papa, o «preto» do Belenenses que tinha idade para ser papá dos outros todos. Ou pelo menos assim se dizia. E o Oeiras tinha o Upari (que se lia Apari) e que era, conhecendo-o anos mais tarde, uma pessoa genuinamente correta e impossível de não gostar. Mas ali, num primeiro momento, todos eram os «pretos» grandes, os «pretos» em destaque.

Mais tarde, lembro-me do Abílio. Dentro do balneário, fizemos praticamente do Abílio a nossa mascote. O Abílio falava de maneira estranha. A voz tremia, ecoava de forma muito peculiar. E imitávamo-lo, brincando com ele, perante os seus sorrisos. Ele nunca levou a mal. Ele seria incapaz de levar a mal. Ou pelo menos assim achávamos.

Hoje, olhando para trás, sinto sobretudo que ele talvez nunca tenha pensado sequer que poderia levar a mal. Muito possivelmente, para ele, aquela seria a única realidade que conhecia. Poderia nem sequer saber que aquilo era errado. Podia não ter o conforto necessário para levantar a voz, impor-se, e dizer basta. Afinal, o Abílio nem sequer estava inscrito. Que peso poderia ter ele num balneário?

Esta semana, em mais um genial episódio do podcast O Brinco do Baptista, falou-se sobre o problema de minorias em balneários. Dos perigos da mentalidade de matilha. Da toxicidade que alguns comportamentos podem ter. Sinceramente, olho para trás, e acho que sempre respeitei, tanto quanto conseguia, qualquer colega que tive. Mas, ao mesmo tempo, sou incapaz de ignorar que tive momentos, tanto no futebol como na escola, reprováveis.

Tenho memória suficiente para me lembrar do que fiz bem e do que fiz mal, do que poderia ter feito diferente. Fosse com negros, raparigas ou vítimas de bullying. Afinal, nestes casos, parecia sempre mais fácil deixar andar. Ficar calado. Felizmente, nunca fui instigador. Mas isso não me iliba de ter contribuído para ambientes negativos. De racismo, de machismo. De muito mais.

O que Marega fez em Guimarães foi acordar-nos em definitivo para uma realidade que nos deixa desconfortáveis. Marega não foi a primeira vítima. Marega foi, isso sim, o primeiro exemplo mediático a ser capaz de dizer basta. A trazer o elefante para o centro da sala. A garantir que seria impossível continuar a ignorar que Portugal é racista. Que há exemplos destes nos quatro cantos do país.

Hoje, é impossível dizer que só acontece lá fora. Podíamos dizer que estamos a importar o pior do que se passa lá fora. Estaríamos a ser hipócritas. Este racismo esteve sempre do lado de cá da fronteira. Só demorámos mais tempo a ter um escândalo com esta magnitude.

E, quando finalmente aconteceu, poucos foram aqueles que passaram com distinção. Tem havido muita hipocrisia, sim. Tem havido tiros ao lado. E houve, sobretudo, uma falta de compaixão e compreensão enorme por quem partilha a profissão e estava naquele relvado com Marega.

Foi o espelho perfeito do racismo em Portugal. Uma vez mais, esperou-se que Marega comesse e calasse. Que percebesse que faz parte. Que é assim mesmo. Que tem de se habituar. Ser profissional, ignorar e continuar a fazer aquilo para o qual é pago dentro de campo. Por outras palavras, houve quem lhe tenha pedido que ajudasse a propagar e eternizar a aceitação do racismo.

Marega recusou-se. Não o fez. E ao não o fazer deu um exemplo valioso para milhares de jovens em Portugal. Porque às vezes é mais importante manter as costas direitas do que ceder à vénia. Porque às vezes é preciso dizer basta. Porque às vezes só conseguimos avançar quando paramos. Para pensar e para mudar a mentalidade. Para mostrar ao mundo – e ao país – o que está errado.

Marega não foi a primeira vítima em Portugal. Mas foi o primeiro a conseguir provocar uma onda de solidariedade a nível interno e internacional. E só o fez, só garantiu que o tema viesse claramente para a luz do dia por ter tomado a atitude que tomou. Se tivesse continuado em campo e criticado os acontecimentos no final, o racismo teria ficado esquecido na espuma do dia. Assim, é impossível.

Temos, todos, de agradecer a Marega por isso. Fez-nos pensar. Olhar para trás. Perceber o que se fez de errado. O que continua errado. E o que tem mesmo de se fazer para que, ao olhar para a frente, se possa encarar o futuro com otimismo.

Porque Portugal sempre foi racista. E continua a sê-lo em 2020. Mas depende de todos nós ajudar a promover a mudança. O que Marega fez foi valioso. Mas será uma gota de água no deserto se não conseguirmos honrar verdadeiramente o que um gesto aparentemente tão simples mas cheio de coragem pode significar.

Marega relembrou-nos, com clareza, algo que não gostamos.

6 comentários

  • Imagem de perfil

    Visconde

    18.02.20

    O império português matou 5 milhões de indígenas na terra que vieram a chamar de Santa Cruz, posteriormente chamada de Brasil. Os portugueses, em seus documentos, os tratavam como se fossem animais. Posteriormente, vendo a incapacidade de realizarem as satisfações materiais do "El Rei de Portugal", traficaram negros da África para fazê-los de escravos e assim saciar a ânsia de riqueza da nobreza capitalista portuguesa, bem como daqueles ricos decadentes em Portugal, que vieram ao país matar ou catequizar os povos originais, roubar-lhes suas vidas e expulsar-lhes da terra onde moravam. E assim fizeram por praticamente 4 séculos, tornando o Brasil no maior império escravagista do mundo e da história. Sabe, Luter King falava que não há capitalismo sem racismo. E ele estava certo, é que o conceito de raça foi levantado pela primeira vez pela igreja católica lá pelos idos de 1541: assim tratou a igreja: negro é animal - e portanto não tinha alma -, podendo, na concepção, ser feito dele o que bem se entendesse. Já os povos originários da América (tratado por indígenas) classificou-se como a meio do caminho entre a animália e a humanidade, sendo possível salvá-los por meio da catequização. Esses teóricos da igreja foram financiados por uma burguesia insurgente em Portugal e na Espanha, primeiramente, e posteriormente em toda a Europa, pois tal "teoria" (ou melhor, ideologia) justificava o tráfico negreiro de africanos e a escravidão de negros nas Américas e na África. Dizer que somos racistas por natureza, é tolice; como toda ideologia, o racismo é plantado em nossas cabeças, mas é certo que o racismo se propagou pela Europa a partir do final do século XVI até os dias de hoje, com praticamente a mesma vitalidade de outrora. E será possível vencê-lo, a exemplo do que falava o líder negro estadunidense, somente derrotando o capitalismo, pois tal ideologia nasceu de suas entranhas.

    https://praxis.blogs.sapo.pt
  • Sem imagem de perfil

    Anónimo

    19.02.20

    Uma tão crassa ignorância da História até dói. Perca algum tempo a ler aquele que é provavelmente o maior antropólogo negro e o maior historiador do tráfico de escravos, o senegalês Tidiane N'Diaye e depois veja-se ao espelho. Cumprimentos
  • Sem imagem de perfil

    Ze mostarda

    19.02.20

    É zuca, e os tipos têm um ódio de morte a nós.
    Até alteraram a lingua portuguesa só para mostrar que são reguilas.
    Não sabem que antes dos portugueses comercializarem negroides, ja os pretos em África o faziam.
    O racismo em Portugal só tem um lado, é quando o branco ofende um preto.
    Já o contrário não existe.
    O caso do marega é pura e claramente vitimização, muito ofendidinhos.
    Eu se ganhasse os largos milhões que estes bacocos ganham estava me relativamente a cagar se me chamavam macaco ou gaivota ou filho de uma senhora cujo trabalho é aliviar pessoas desconhecidas do seu peso instantâneo.
  • Imagem de perfil

    Visconde

    20.02.20

    ... continação... Início abaixo...

    Não me leve a mal, mostarda, nós também temos nossa culpa. E muita. O genial Saramago, certa feita, respondendo a um jornalista oportunista brasileiro sobre a mortandade dos povos originarios, disse: "nós matamos milhões de indígenas brasileiros e quatro ou cinco vezes mais negros somente no Brasil, mas vocês depois continuaram os matando". É bem isso. Um tapa na cara dessa nossa elite hipócrita. Três séculos e meio de colonização (veja bem, de cada 5 dias da história do Brasil, 4 deles foram de escravidão e 3,8 de escravidão sob controle de Portugal) direta deixam marcas indeléveis. Da para afirmar categoricamente que as maiores heranças deste processo, e de Portugal, foram o racismo, o raciocínio curto e a ignorância intelectual de nossa elite e de nossa classe média. Quanto a vos odiar, certamente nada nos conhece; nem a mim, que carrego um sobrenome "Dias" e sou filho de uma portuguesa, tampouco de nós brasileiros, que se fazemos piadas com vocês portugueses é por rirmos de todo o período colonial, de nossas condições de colônia que fomos. Alias, quando posso e consigo dinheiro, dou um pulo aí. Também não qualifiquei como inato o racismo em Portugal, como se cada criança ja nascesse com ele. Pelo contrario: o racismo é uma ideologia construída e plantada... Por que achas que a construíram? Achas que não haveria revoltas em Portugal se não fossem plantadas as ideias de que negros são inferiores, são animais? Ainda mais aí, na península ibérica. Era preciso formar uma opiniāo pública que alimentasse o discurso exploratório. Como é necessario ainda hj alimentar esse discurso, ja que favorece a manutenção da ordem. Todas às vezes que nos digladiamos com questões tão rasas quanto estas, estamos fortalecendo aqueles que ganham com essa divisão. Tenho ca um blog e nele tenho dois artigos que julgo intéressante: um sobre um d'entre tantos escândalos de racismo no Brasil e outro sobre Ideologias. Este, por sinal, parte integrante de uma trilogia. Se quiseres passar la, ei-los:

    https://praxis.blogs.sapo.pt/coisificacao-chibata-e-tortura-as-29727

    https://praxis.blogs.sapo.pt/de-os-flintstones-a-os-jetsons-o-poder-32792
  • Sem imagem de perfil

    Anónimo

    22.02.20

    Sr Visconde, os portugueses quando vão ao Brasil ou os que vivem no Brasil são muito bem recebidos, a recíproca NÃO é verdadeira. Para os portugueses , brasileiros são um povo inferior , ignorante. Eu como brasileira conheço muito bem essa conversinha preconceituosa e racista deles. Bem, se já esteve em Portugal sabe muito bem que Portugal não está com essa bola toda kkk. Infelizmente jogam pedra no telhado dos outros quando o deles nem de vidro é, é de papel.
  • Comentar:

    Mais

    Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.