Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

É Desporto

É Desporto

17 de Fevereiro, 2020

Somos um país de racistas (mas não gostamos que nos lembrem disso)

Rui Pedro Silva

Marega

O que se passou em Guimarães com Marega não foi nem mais nem menos grave do que aquilo que se tem passado durante décadas no futebol em Portugal. Na Europa. E um pouco por todo o mundo. Olhando para trás, não é difícil nem é preciso fazer um esforço grande para percebermos que o racismo estrutural é uma das maiores falhas da sociedade portuguesa.

Marega atingiu um ponto de rotura. Aconteceu ali, naquele minuto, naquele momento, como poderia ter sido num outro jogo qualquer. Fosse com Marega ou com outro jogador. Nós, por cá, habituámo-nos a criticar o que se passa em Itália. A achar que os italianos são o povo latino mais racista da Europa e episódios em que os jogadores sentem que chegou a altura de dizer basta são mais um capítulo na vergonha de um campeonato que outrora foi grande e agora não é mais do que um tremido reflexo.

Nós, por cá, habituámo-nos a achar que o problema está nos outros. Está em Inglaterra. Na Alemanha, daqueles nazis. Na Itália. Até em França, dos Le Pen. Nós, por cá, somos diferentes. O racismo cá é diferente. Se existe, é muito pontual. Não, nós não somos contra «pretos». Não, nós não os tratamos mal. Nós até temos amigos que o são. Até partilhámos balneários com eles. Histórias. Brincadeiras. Piadas.

Não, nós por cá, sempre fomos diferentes. Somos capazes de entrar numa sala de cinema e sentir nojo quando vemos filmes que retratam a luta pelos direitos civis nos Estados Unidos. E, ao mesmo tempo, incapazes de perceber que Portugal está longe de ser um paraíso. Nós, por cá, deixámo-nos, durante demasiado tempo, contagiar por um racismo estrutural que muitos continuam a apregoar ter desaparecido. Ou simplesmente nunca ter existido.

Violência policial? Sim, é giro falar sobre isso quando Colin Kaepernick se ajoelha. Cânticos animais nas bancadas? Coitado do Balotelli. Por cá, não há nada disso. Ou pelo menos assim foi sendo construída a mentira, num castelo de areia frágil perante a ameaça de um tsunami.

Houve quem tenha falado em hipocrisia. Fê-lo pelos motivos errados, mas acertou na palavra. No sentimento. Qualquer exercício de memória sem grande dificuldade é capaz de nos trazer episódios idênticos ou ainda mais graves ao de Marega em Guimarães. A diferença? Marega foi o único a dizer basta e, por isso, o único a garantir que havia ondas de solidariedade.

Este é, há muito, o problema do racismo em Portugal. Habituámo-nos a achar algo tão natural que eles próprios, os abusados, começaram a sentir que era aceitável. Que fazia parte da realidade. Que era impossível escapar, dizer basta, mostrar ao mundo que estava errado.

Contra mim falo. Olhando hoje para trás, sinto vergonha. Sinto repulsa. Sinto que fui praticamente obrigado a falhar por esta realidade paralela que nada trouxe de bom. Joguei futebol federado onze anos. Joguei com africanos ou filhos de africanos desde sempre. Nos primeiros anos, chegou até a haver treinos em que na minha equipa eu era o único branco. Brincávamos com isso. Eu podia ser o único mas eles sempre foram a minoria.

O racismo existia – e muito – nos escalões de formação. Numa altura em que a internet não existia, pouco se sabia sobre as equipas adversárias. O primeiro contacto visual com a chegada da carrinha adversária provocava sempre as mesmas curiosidades. Primeiro, se eram grandes. Depois, quantos «pretos» tinham.

Quem jogou no final da década de 90 na Associação de Futebol de Lisboa, poderá reconhecer alguns nomes. Toda a gente falava do Papa, o «preto» do Belenenses que tinha idade para ser papá dos outros todos. Ou pelo menos assim se dizia. E o Oeiras tinha o Upari (que se lia Apari) e que era, conhecendo-o anos mais tarde, uma pessoa genuinamente correta e impossível de não gostar. Mas ali, num primeiro momento, todos eram os «pretos» grandes, os «pretos» em destaque.

Mais tarde, lembro-me do Abílio. Dentro do balneário, fizemos praticamente do Abílio a nossa mascote. O Abílio falava de maneira estranha. A voz tremia, ecoava de forma muito peculiar. E imitávamo-lo, brincando com ele, perante os seus sorrisos. Ele nunca levou a mal. Ele seria incapaz de levar a mal. Ou pelo menos assim achávamos.

Hoje, olhando para trás, sinto sobretudo que ele talvez nunca tenha pensado sequer que poderia levar a mal. Muito possivelmente, para ele, aquela seria a única realidade que conhecia. Poderia nem sequer saber que aquilo era errado. Podia não ter o conforto necessário para levantar a voz, impor-se, e dizer basta. Afinal, o Abílio nem sequer estava inscrito. Que peso poderia ter ele num balneário?

Esta semana, em mais um genial episódio do podcast O Brinco do Baptista, falou-se sobre o problema de minorias em balneários. Dos perigos da mentalidade de matilha. Da toxicidade que alguns comportamentos podem ter. Sinceramente, olho para trás, e acho que sempre respeitei, tanto quanto conseguia, qualquer colega que tive. Mas, ao mesmo tempo, sou incapaz de ignorar que tive momentos, tanto no futebol como na escola, reprováveis.

Tenho memória suficiente para me lembrar do que fiz bem e do que fiz mal, do que poderia ter feito diferente. Fosse com negros, raparigas ou vítimas de bullying. Afinal, nestes casos, parecia sempre mais fácil deixar andar. Ficar calado. Felizmente, nunca fui instigador. Mas isso não me iliba de ter contribuído para ambientes negativos. De racismo, de machismo. De muito mais.

O que Marega fez em Guimarães foi acordar-nos em definitivo para uma realidade que nos deixa desconfortáveis. Marega não foi a primeira vítima. Marega foi, isso sim, o primeiro exemplo mediático a ser capaz de dizer basta. A trazer o elefante para o centro da sala. A garantir que seria impossível continuar a ignorar que Portugal é racista. Que há exemplos destes nos quatro cantos do país.

Hoje, é impossível dizer que só acontece lá fora. Podíamos dizer que estamos a importar o pior do que se passa lá fora. Estaríamos a ser hipócritas. Este racismo esteve sempre do lado de cá da fronteira. Só demorámos mais tempo a ter um escândalo com esta magnitude.

E, quando finalmente aconteceu, poucos foram aqueles que passaram com distinção. Tem havido muita hipocrisia, sim. Tem havido tiros ao lado. E houve, sobretudo, uma falta de compaixão e compreensão enorme por quem partilha a profissão e estava naquele relvado com Marega.

Foi o espelho perfeito do racismo em Portugal. Uma vez mais, esperou-se que Marega comesse e calasse. Que percebesse que faz parte. Que é assim mesmo. Que tem de se habituar. Ser profissional, ignorar e continuar a fazer aquilo para o qual é pago dentro de campo. Por outras palavras, houve quem lhe tenha pedido que ajudasse a propagar e eternizar a aceitação do racismo.

Marega recusou-se. Não o fez. E ao não o fazer deu um exemplo valioso para milhares de jovens em Portugal. Porque às vezes é mais importante manter as costas direitas do que ceder à vénia. Porque às vezes é preciso dizer basta. Porque às vezes só conseguimos avançar quando paramos. Para pensar e para mudar a mentalidade. Para mostrar ao mundo – e ao país – o que está errado.

Marega não foi a primeira vítima em Portugal. Mas foi o primeiro a conseguir provocar uma onda de solidariedade a nível interno e internacional. E só o fez, só garantiu que o tema viesse claramente para a luz do dia por ter tomado a atitude que tomou. Se tivesse continuado em campo e criticado os acontecimentos no final, o racismo teria ficado esquecido na espuma do dia. Assim, é impossível.

Temos, todos, de agradecer a Marega por isso. Fez-nos pensar. Olhar para trás. Perceber o que se fez de errado. O que continua errado. E o que tem mesmo de se fazer para que, ao olhar para a frente, se possa encarar o futuro com otimismo.

Porque Portugal sempre foi racista. E continua a sê-lo em 2020. Mas depende de todos nós ajudar a promover a mudança. O que Marega fez foi valioso. Mas será uma gota de água no deserto se não conseguirmos honrar verdadeiramente o que um gesto aparentemente tão simples mas cheio de coragem pode significar.

Marega relembrou-nos, com clareza, algo que não gostamos.

3 comentários

  • Sem imagem de perfil

    Anónimo

    18.02.20

    Por estes dias, imprensa, rádio e televisão não fazem outra coisa que não seja falar de racismo!!! E são sempre os mesmos, sempre os mesmos comentadores hipócritas, submissos a ideias e orientações que surgem repentinamente na moda e que eles não são capazes de analisar com inteligência e imparcialidade, porque não têm nem uma nem outra. São meros robots que repetem à exaustão aquilo que outros vão dizendo, porque lhes dá jeito e não têm coragem para contrariar. Racismo no Estádio do Guimarães SC? Não estive lá, não vi o jogo pela TV e, por isso, não sei se sim nem se não. Mas uma coisa sei: houve tanto racismo em Guimarães como já houve e vai continuar a haver em muitos outros estádios de futebol, de futsal, de hóquei, de andebol, etc., etc. O que em Guimarães se passou, em minha opinião, não foi racismo, foi raiva, vingança e se quiserem ódio contra uma pessoa que os adeptos do Guimarães detestam (bem ou mal) por atos que este praticou quando jogador deste clube. Por mero acaso Marega é negro, mas poderia ser branco ou amarelo que os insultos e a raiva dos Vimaranenses seria a mesma ou ainda maior. Alguma vez os Vimaranenses insultaram os seus jogadores ou de outros clubes só por eles serem negros? Que se saiba não e isto é que seria racismo. Agora, só porque querem expressar o seu descontentamento e revolta contra quem (na opinião deles que pode ser discutida) os ofendeu ou, no mínimo, não os representou condignamente, são logo catalogados de racistas? Haja um pouco de decoro e faça-se uma análise correta dos acontecimentos e respetivas envolventes. Pois, como disse, se Marega fosse branco acontecia-lhe a mesma coisa, se não pior. Trata-se de falta de educação, de civismo, de desportivismo inerente a muitos que frequentam os recintos desportivos. Tentem educar estes adeptos, mas não me venham com a teoria ridícula do racismo, quando apenas está em causa falta de educação e ordem pública. Lembram-se de Figo? Quando se transferiu para o Real Madrid sempre que ia a Barcelona era insultado do princípio ao fim do jogo. Figo era e é branco. Se fosse negro acontecia-lhe a mesma coisa. E estes teóricos que em Portugal se apropriaram dos media diriam logo à boca cheia que era racismo! Até quando aguentaremos este desplante de nada mais haver em Portugal para se escrever, ouvir ou falar, durante dias e dias, a não ser do racismo dos adeptos vimaranenses? Até quando estes senhores que dominam a comunicação social abusarão da nossa paciência?
  • Sem imagem de perfil

    Anónimo

    19.02.20

    Como é que há pessoas que vêm branquear aquilo que toda a gente viu, independentemente de ter havido já isto ou aquilo?! O que os portugueses querem é que este tipo de situações acabem, no futebol, como no quotidiano, e não pactuar com estas situações, como se vê pelas redes sociais, como querem fazer que não se passou nada, foi tudo normal, para ficar tudo na mesma, quando são estes que dizem que querem mudar Portugal! Vê - se que muitos portugueses, geralmente os caucasianos, não sabem o que significa o racismo, porque nunca conviveram em minoria, e a história faz-nos pela cor da pele superiores!?
  • Comentar:

    Mais

    Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.