Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

É Desporto

É Desporto

10 de Agosto, 2021

Saúl Craviotto. O chef com os ingredientes perfeitos para a canoagem

Rui Pedro Silva

Saúl Craviotto

É espanhol, tem 36 anos e um currículo olímpico de fazer inveja. Foi campeão olímpico em K2 500 metros em Pequim, medalha de prata em K1 200 metros em Londres e no Rio de Janeiro, há cinco anos, juntou a medalha de bronze em K1 200 metros ao título olímpico nos K2 200 metros.

Tóquio tinha tudo para ser a sua despedida olímpica e o canoísta não desiludiu, contribuindo para a medalha de prata na prova de K4 500 metros, numa final em que a equipa portuguesa terminou na oitava posição.

O palmarés de Craviotto é incrível. Duas medalhas de ouro, duas de prata e uma de bronze num total de cinco são os ingredientes perfeitos para se tornar o melhor atleta espanhol da história olímpica. Literalmente, mas já lá vamos.

Saúl é um de seis atletas espanhóis com duas medalhas de ouro em Jogos Olímpicos, mas nenhum tem mais do que ele. E Saúl é o único com pelo menos dois títulos que tem uma medalha por cada dedo de uma mão. David Cal, também da canoagem, conquistou cinco pódios entre Atenas-2004 e Londres-2012, sempre em provas de canoa, sempre em competições individuais, mas só por uma vez chegou ao ansiado ouro.

Num país com figutas olímpicas como Rafael Nadal, Mireia Belmonte e Lidia Valentin, seria natural se Saúl Craviotto fosse distinguido quase exclusivamente pelo seu potencial olímpico, mas a vida real é muito diferente da festa olímpica que se vive durante duas semanas de quatro em quatro anos (se as coisas correrem bem).

Saúl Craviotto pode ter 36 anos. Pode estar na canoagem desde os sete. Pode ser recordista olímpico espanhol. Pode ter isto tudo que o público continua a reconhecê-lo sobretudo por uma aparição televisiva, na versão castelhana do programa Masterchef em 2017.

«Ando a treinar há muitos anos mas as pessoas reconhecem-me mais pelos meus dotes culinários. Sou um atleta profissional, não um chef, mas não me arrependo de ter participado no programa. Ajudou-me a aumentar a atenção que os espanhóis dão à canoagem e isso foi positivo», garantiu.

Mas nem tudo foi assim tão fácil. Em sentido contrário, tornou-se tão famoso que ser reconhecido na rua afetou a sua vida profissional como... agente da polícia. «Alguns criminosos reconhecem-me por causa do programa e isso começou a ser perigoso», contou à imprensa espanhola.

Polícia, chef, canoísta. Se deste lado da fronteira, temos um Saúl famoso há décadas pelo bacalhau, Craviotto brilhou na final do Masterchef Celebridades com um menu que incluía cavala com pa amb tomàquet (uma receita de pão com tomate tipicamente catalã), galinhola com maçã e gnocchi de milho. Para finalizar, a sobremesa foi creme de maracujá e alperce, gelado de manga e uma árvore de chocolate.

Saboroso? Talvez. Mas mais do que cinco medalhas olímpicas?

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.