Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

É Desporto

É Desporto

25 de Julho, 2021

Race Imboden. Um esgrimista sem medo de ter voz

Rui Pedro Silva

Race Imboden

Peru, agosto de 2019 de um mundo sem pandemia. Os Jogos Olímpicos estão a menos de um ano de distância e os Estados Unidos são campeões de florete por equipas (esgrima) nos Jogos Pan-Americanos disputados em Lima.

O último ano do ciclo olímpico pré-Tóquio tinha acabado de começar e Race Imboden fazia parte de um lote de atletas que estava a piscar o olho ao Japão. Mas, antes de ser um atleta de alta competição, sentia-se norte-americano. Faltava também pouco mais de um ano para as eleições presidenciais e a instabilidade nos Estados Unidos parecia insustentável.

Foi nesta altura que Race Imboden decidiu agir e ajoelhar-se durante a cerimónia protocolar de atribuição das medalhas. Numa era em que a iniciativa era vista com maus olhos, sobretudo nos Estados Unidos – bastando ver o que aconteceu a Colin Kaepernick na NFL -, Race Imboden sentiu que havia coisas mais importantes.

«A razão para me ter ajoelhado durante uma competição internacional foi por sentir que o país que eu represento já não me reflete. Nem reflete as pessoas que lá vivem. Eu, como uma pessoa não pertencente a uma minoria racial, que não é afetada pela violência provocada pelas armas ou por questões relacionadas com a imigração, senti que era importante ter uma voz e mostrar apoio por essas pessoas», disse.

Num contexto que estava cada vez mais politizado, a ação de Race Imboden teve consequências e o Comité Olímpico dos Estados Unidos suspendeu-o por doze meses. No limite, a situação poderia tê-lo afastado de Tóquio-2020, mas o adiamento dos Jogos deu-lhe outra margem. Tanto que, precisamente um ano depois de se ter ajoelhado no Peru, voltou a fazer parte de uma manifestação que juntou 44 atletas norte-americanos que exigiam alterações à forma como protestos e manifestações eram encaradas nos Jogos Olímpicos.

A forte voz que Race Imboden decidiu ter acabou por não o impedir de estar em Tóquio, em julho de 2021. Agora, o atleta de 28 anos está preparado para participar na sua terceira edição de Jogos Olímpicos, competindo por equipas na prova de florete em esgrima. Em Londres-2012 foi nono na prova individual e quarto na por equipas e há cinco anos, no Rio de Janeiro, subiu ao pódio na prova coletiva para receber o bronze.

A medalha olímpica foi o culminar de uma aventura que começou quando brincava num parque em criança, armado em cavaleiro e com uma espada em punho. Em Atlanta, na Geórgia, um desconhecido viu a brincadeira e sugeriu aos pais que o levassem para a esgrima. Foi o início de uma história de amor que levou a… outra história de amor.

Foi precisamente no Rio de Janeiro, no ano da primeira e única medalha olímpica, que Race Imboden conheceu a sua namorada, a francesa, também ela esgrimista, Ysaora Thibus. A cumplicidade entre os dois foi praticamente automática e em 2017 começaram a viver juntos nos Estados Unidos.

Hoje, os Estados Unidos continuam longe de ser um país que deixou a tensão para trás mas Race sente que há um pouco mais de representação, mas nem por isso deixa de encarar o futuro com outros olhos. O objetivo para quando terminar a carreira é muito claro: trabalhar com crianças desfavorecidas que queiram entrar no mundo da esgrima. «Uma das grandes coisas que quero fazer é começar uma fundação para ajudar a crianças que vêm de um meio com menos fundos».

Race Imboden pode nunca ter sido campeão olímpico. Pode até voltar a falhar o pódio nos Jogos de Tóquio, mas às vezes ter a cabeça no sítio certo também vale uma medalha. E isso é ouro.

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.