Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

É Desporto

É Desporto

29 de Agosto, 2021

Parfait Hakizimana. Fugir para escapar ao destino trágico da mãe

Rui Pedro Silva

Parfait Hakizimana

Há nomes que podem ter boa intenção mas que não fazem sentido quase desde o momento zero da vida de alguém. Para a família Hakizimana, dar o nome Parfait ao filho pode ter sido repleto de boas intenções mas a vida real começou por ser um murro no estômago atrás de murro no estômago.

Parfait Hakizimana nasceu a 3 de julho de 1988 no Burundi, na África Central, praticamente enclausurado entre o Ruanda, a norte, a República Democrática do Congo, a oeste-sul, e a Tanzânia, a este-sul. Em 1996, com apenas oito anos, a vida começou a ser imperfeita.

A guerra civil do Burundi tinha deslocado a família para o campo de deslocados e foi precisamente aí que Parfait viu a mãe ser baleada e assassinada. Parfait estava suficientemente perto, foi atingido no braço esquerdo e passou dois anos a receber cuidados médicos de qualidade duvidosa.

«Em África, os cuidados médicos não são grande coisa. O meu braço estava seriamente ferido e demorou muito tempo a sarar», lamentou.

Parfait tinha uma escolha pela frente: lamentar-se ou continuar a viver da melhor forma que conseguiu encontrar. Escolheu a segunda: «Para superar as dores da minha infância e da minha vida em geral, concentrei-me na escola e no desporto. Preferia fazer desporto porque era uma rede de segurança para mim, era onde me sentia melhor, ajudou-me a sentir mais feliz, a ter alegria, a alegria que não fui capaz de ter durante a minha infância».

O desporto mudou-lhe a vida. Parfait começou a praticar taekwondo com 16 anos como parte do processo de reabilitação para a lesão no braço e, uma vez mais, reconhece a importância do de algo que o ensinou a respeitar os outros e também a sentir-se orgulhoso e a encontrar uma felicidade que nem sabia que existia.

O problema? O problema é que os fantasmas do passado nunca chegaram a desaparecer completamente e em 2015, com 27 anos, decidiu fugir do Burundi com medo que pudesse vir a ter o mesmo destino da mãe. O país estava cada vez mais violento e Parfait foi viver para o Campo de Refugiados de Mahama no Ruanda.

«Tinha muito medo de vir a ser assassinado como a minha mãe, foi por isso que decidi sair do país. Foi muito difícil. Tive de sair sem a minha família. Não tinha amigos no Ruanda, fui completamente sozinho. E quanto lá cheguei a vida era muito complicada porque vivíamos em tendas e não tínhamos nada para beber ou comer», recordou.

Uma vez mais, e como sempre, o desporto veio em sua salvação. Parfait decidiu criar um clube de taekwondo no centro de refugiados e o sucesso foi praticamente instantâneo, com mais de 1000 interessados. «Queria apenas poder ajudar os outros: crianças, adultos, mulheres, raparigas. Queria ajudar as pessoas como eu. Fiz isto para encorajar as pessoas a não perderem a esperança. Os refugiados podem não ter muito mas o desporto ajuda-os a esquecerem os seus problemas.»

Parfait vai competir na categoria de -61 quilos de K44 do taekwondo. Não estará sozinho. Haverá pelo menos mil refugiados a viverem cada golpe com ele.

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.