Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

É Desporto

É Desporto

20 de Janeiro, 2020

George Eyser. O tricampeão olímpico com perna de pau

Especial Jogos Olímpicos (St. Louis-1904)

Rui Pedro Silva

George Eyser integrou equipa dos Estados Unidos

O desempenho nos Jogos Olímpicos de St. Louis em 1904 foi arrebatador. Conquistou três títulos, foi duas vezes segundo e uma vez terceiro em provas de ginástica e demonstrou que não há limites para o ser humano. O facto de ter uma perna de pau tornou-se uma nota de rodapé.

É preciso ter cara de pau para se achar que competir numa edição dos Jogos Olímpicos é uma tarefa simples. Pior ainda se o objetivo passar por ser uma das principais referências do evento. Para George Eyser, que chegou a St. Louis em 1904 com 34 anos, não havia impossíveis.

O palmarés de Eyser naquela que foi a terceira edição da era moderna é impressionante: foi campeão da prova de escalada de corda, no salto de cavalo e nas barras paralelas; terminou na segunda posição no cavalo com arções e no evento combinado; e, finalmente, foi terceiro classificado na barra fixa.

A combinação de medalhas – ninguém conquistou mais em 1904 – seria suficiente para catapultá-lo para a glória olímpica, mas houve vários fatores que não podem ser ignorados. Antes de mais, ganhou as seis medalhas no mesmo dia. Depois, competiu com uma prótese de madeira a substituir a perna esquerda, perdida anos antes ao ser atropelado por um comboio.

A história de Eyser começa na Alemanha a 31 de agosto de 1870 mas atravessou o Atlântico quando este ainda era adolescente. Nos arredores de St. Louis, entrou para um clube de ginástica e começou a dar nas vistas, e nem o acidente com o comboio o impediu de fazer dos Jogos Olímpicos «em casa» um objetivo fixo.

O feito de George Eysel foi histórico e continuou a sê-lo por mais de um centenário. Em 2008, em Pequim, os Jogos Olímpicos voltaram a ter uma atleta a competir com uma prótese no lugar da perna: a nadadora Natalie du Toit. Participando na prova de 10 quilómetros em águas abertas, a sul-africana não foi além do 16.º posto. Quatro anos depois chegou a vez do caso mais famoso: Oscar Pistorius. O também sul-africano competiu nos 400 metros e na estafeta dos 4x400 metros.

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.