Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

É Desporto

É Desporto

06 de Abril, 2020

Constantino II. A medalha de ouro para o neto de um pioneiro olímpico

Especial Jogos Olímpicos (Roma-1960)

Rui Pedro Silva

Constantino II da Grécia

Filho de Paulo da Grécia participou nos Jogos Olímpicos de Roma, em 1960, na vela. Tinha a irmã Sofia, rainha de Espanha até 2014, na equipa e conquistou a medalha de ouro, homenageando a memória do avô, Constantino I, que tinha desempenhado um papel fundamental na edição inaugural em 1896.

Foi o último rei da Grécia, num trono que ocupou entre 1964 e 1973. Antes, em 1960, quando tinha apenas vinte anos, fez parte da comitiva helénica que viajou até Roma para participar nos Jogos Olímpicos. A equipa tinha 48 atletas, distribuídos por oito modalidades, mas só conseguiu conquistar uma medalha: o ouro na vela, na classe Dragon.

O príncipe Constantino foi o porta-estandarte com autoridade. Afinal, era o filho do rei da Grécia, Paulo. A família real estava em peso na competição e a irmã de Constantino, Sofia, rainha de Espanha até 2014, também viajou como suplente da equipa de vela.

Nas águas italianas, a embarcação de Constantino, Odysseus Eskitzoglou e Georgios Zaimis ganhou apenas uma de sete regatas mas a sua regularidade foi essencial para terminar com uma vantagem muito favorável (6733 vs. 5715) pontos sobre os rivais argentinos.

Para Constantino, foi também uma forma de homenagear o avô, Constantino I. Em 1895, numa altura em que a organização dos Jogos de Atenas estava em risco, devido às reticências do governo helénico, foi ele quem assumiu a ambição de concretizar a ideia, satisfazendo o objetivo de Pierre de Coubertin e passando a desempenhar o cargo de presidente do comité organizador.

Se o avô não competiu – mas teve um papel fundamental na aceitação dos atletas, com destaque para a recusa de deixar Carlo Airoldi competir -, o neto elevou o nome da família e garantiu uma medalha de ouro para os gregos, naquele que foi o primeiro título olímpico desde Estocolmo em 1912.

A medalha de ouro em Roma foi um dos derradeiros atos de Constantino II na sombra do pai. Paulo estava doente e viria a morrer de um cancro, poucos anos depois. Os destinos do país eram cada vez mais decididos pelo filho mas o reinado só começou oficialmente em 1964. Constantino II foi assim o primeiro campeão olímpico que pode dizer, com propriedade, que foi rei de alguma coisa.

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.