Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

É Desporto

É Desporto

25 de Maio, 2020

Christa Luding-Rothenburger. Uma medalhada moda inverno-verão

Rui Pedro Silva

Christa Luding-Rothenburger

O ano de 1988 foi inesquecível para a alemã Christa Luding-Rothenburger. Depois de já ter vencido uma medalha de ouro em Sarajevo-1984, nos Jogos Olímpicos de Inverno, chegou a Calgary-1988 e acumulou mais duas medalhas. E o que tem isto a ver com os Jogos Olímpicos de Verão? Pois, é que também ganhou uma prata em Seul.

Há quem ache o frio insuportável. Há quem prefira o aconchego dos cobertores e quem sofra com temperaturas muito quentes. As pessoas não são todas iguais e, talvez também por isso, não há uma grande tradição de atletas que conseguiram competir em Jogos Olímpicos de Verão e de Inverno.

O tonganês Pita Taufatofua foi a última grande novidade neste assunto, mas sem qualquer lugar de relevo na conquista dos pódios no Rio de Janeiro, em 2016, e em Pyeongchang, em 2018. Por outro lado, há Christa Luding-Rothenburger.

A alemã da República Democrática da Alemanha, nascida em Cottbus a 4 de dezembro de 1959, assinalou de forma indelével as últimas presenças do seu país em competições olímpicas. Não só participou nos Jogos de Inverno e Verão no mesmo ano – algo ao alcance de muito poucos -, como atingiu o pódio nos dois eventos. E aqui, não haja enganos, a lista tem apenas um nome. Ou três, vá: Christa. Luding. Rothenburger.

Christa era uma atleta de inverno. Era na patinagem de velocidade que se focava e os dois títulos olímpicos – um nos 500 metros em 1984 e outro nos 1000 metros em 1988 estão aí a comprová-lo. Mas, a partir de 1980, a conselho de um treinador, começou a dedicar-se ao ciclismo durante a pausa da competição.

No verão de 1988, já depois das duas medalhas em Calgary (ouro nos 1000 e prata nos 500 metros), representou a República Democrática da Alemanha no ciclismo de pista. Aí, na prova de sprint, fez história com a conquista de medalha de prata.

A era da RDA tinha terminado e a de Christa estava muito perto – despediu-se com uma medalha de bronze nos 500 metros de patinagem de velocidade em Albertville -, mas houve um feito que nunca mais será igualado. A partir de 1992, os Jogos das duas estações deixaram de coincidir no mesmo ano do calendário, deixando para sempre a alemã como única atleta a vencer medalhas nestas condições.

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.