Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

É Desporto

É Desporto

14 de Maio, 2020

Birgit Fischer. A semente de uma lenda olímpica

Rui Pedro Silva

Birgit Fischer

Quando participou pela primeira vez em Jogos Olímpicos, em Moscovo-1980, a alemã da RDA tinha apenas 18 anos e conquistou a medalha de ouro em K1 500 metros, na canoagem. A partir daí, seguiu para uma brilhante carreira olímpica, com títulos em 1988, 1992, 1996, 2000 e 2004, já com 42 anos. Só mesmo o boicote a Los Angeles-1984 a impediu de fazer ainda mais e melhor.

A aritmética dos resultados não deixa dúvidas: Birgit Fischer é a melhor atleta olímpica que a República Democrática da Alemanha deu ao mundo. Nascida em Brandenburg an der Havel, a mesma terra dos gémeos Landvoigt, figuras ímpares do remo, em 1962, também demonstrou uma capacidade ímpar para provas na água.

Quando se estreou, em 1980, tinha 18 anos, mas já começara a dar cartas na canoagem, com destaque para dois títulos mundiais em K4 500: um em Belgrado-1978 e outro em Duisburgo-1979.

Agora, em plena União Soviética, o legado olímpico começaria a ser escrito com a primeira de 12 medalhas olímpicas. Velocista de excelência, Fischer conquistou a medalha de ouro em K1 500, derrotando a búlgara Vanja Gesheva e a soviética Antonina Melnikova por mais de um segundo e meio.

A semente estava lançada e desde aí o domínio não parou de crescer. Depois de uma paragem forçada para os Jogos Olímpicos de 1984, provocada pelo boicote da RDA à edição de Los Angeles, Fischer não parou de subir ao pódio até 2004, quando já tinha 42 anos.

Em Seul-1988, somou duas medalhas de ouro e uma de prata, precisamente em K1 500. Depois, a partir de 1992, já a representar a Alemanha unificada, aumentou o portefólio com um ouro e uma prata em Barcelona, um ouro e uma prata em Atlanta, dois ouros em Sydney e, a terminar, um ouro e uma prata e Atenas.

As medalhas ganhas a partir de 1996 foram sempre conquistadas em provas coletivas, mas o feito não deixa de ser impressionante. Se o esgrimista Edoardo Mangiarotti venceu medalhas em seis edições consecutivas (de 1936 a 1960), Birgit Fischer conseguiu alcançar títulos olímpicos em seis edições… diferentes.

Mangiarotti e Fischer têm algo em comum: o italiano foi prejudicado pela II Guerra Mundial, que anulou as edições de 1940 e 1944; a alemã foi afetada pelo boicote soviético. Caso contrário, poderiam ter alcançado ambos feitos considerados irrepetíveis.

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.